O Teu no Meu

És como um homem.
Procuras o isqueiro com a última restia de tempo para viver.
E deixas que arda a chama que queima em mim.
Guardas as notas no bolso de dentro do casaco.
Seguras copos largos nas palmas das tuas mãos.
Os teus poros são como os de um homem.
Deixam-me passar…
E transpiram-me.
Gostas de fumar à minha frente.
Para mostrar que podes pôr dentro algo mais que eu.
Escondes-te atrás do fumo aonde te vou buscar.
A barba na tua cara é o que cortas todos os dias para mim.
E o que todas as noites volta a crescer.
A tua mordida é como a de um homem.
A fome que marca o interior da minha coxa.
As veias a pulsar nas costas da tua mão sobem o teu braço a espalhar a minha seiva.
Deixo-te escorregar por mim…
De manhã ainda estás dentro.
A minha mão na tua nuca afaga a minha dor.
Usas um relógio pesado com o alívio de me veres atravessar a porta.
Tocas de leve o meu ombro para marcar presença.
Sempre sei onde estás.
Cheiras como um homem.
Seco. Doce. Duro.
As minhas pernas trazem-te a mim.
Gosto de te abraçar enquanto ainda estás quente.
Apertas a minha mão para me conteres em ti.
Caminhas à minha frente para me abrir passagem.
Quando te mexes, sei de onde vens.
Não vou a lugar nenhum.
Eu vivo em ti.
Esperas que eu caia para me apanhares.
Deixo que me vejas nua.
Usas os teus dentes para dizer coisas que não quero ouvir.
Gosto das coisas que não gosto em ti.
Gosto das coisas que guardo em mim.
Olhas a ferir-me.
Entras a buscar coisas que eu não sei.
Não sei o que procuro em ti que me faz querer-te.
Olho para ti e sei que és meu.
Esse é quem tu és para mim.
És como eu.

 

This entry was posted in #CREATIVE WRITING, #LE JOURNAL and tagged , . Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>